quinta-feira, 29 de março de 2012

O enigma do templo de Abu Simbel

Abu Simbel é um complexo arqueológico constituído por dois grandes templos (Templo de Ramsés II e Templo de Neferetari), escavados na rocha, situados no sul do Egito, no banco ocidental do rio Nilo perto da fronteira com o Sudão, numa região denominada Núbia, a cerca de 300 km da cidade de Assuan.


O complexo foi transladado do seu local original durante a década de 1960,foi necessária uma mega operação para desmontar e transportar o templo de Abu-simbel para as montanhas a salvo de uma inundação.

Imaginem que a maioria das pedras esculpidas no templo de Ramises II foi retirada das pedreiras de Assuã, numa distãncia de 120 km do local do templo.

E Imaginem blocos imensos de pedras de grandes toneladas e que para esta tarefa tecnicos Alemães tiveram que fatiar as várias estátuas em blocos menores, como um quebra cabeça, para depois remontar em outro lugar com a ajuda de guindastes potentes para esta tarefa.




Mas como isto foi possível há 6000 anos atrás e com tão pouca tecnologia que em plêno século 20 não foi possível ?
Será que os egípcios realmente tinham uma grande tecnologia que se perdeu no tempo e que desconhecemos, será que os deuses ou seres de outro planeta deram uma ajudinha para realizar esta tarefa ?

Bom se houve uma época que haviam gigantes na terra, que anjos coabitaram com mulheres e geraram criaturas de grande poder e força talvez não seja surpriendente que conseguiram fazer tais monumentos com mais facilidade do que hoje com toda nossa tecnologia.
Mas muitas respostas que tentamos dar hoje para muitas coisas do passado parece um enigma e sempre esbarramos no campo da supertição ou da fantasia, mas fantasia e surpetição é uma palavra dada para aquilo que não temos provas mas que a razão a pesquisa ciêntifica ou lógica tambem não tem a resposta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentar é livre, criticas serão aceitas sempre, mas comente com responsabilidade, palavras de baixo calão, palavrões e imoralidades terão os comentários excluídos.